Quais as regras para participar do Minha Casa Minha Vida?

Espalhe pros amigos:


Saiba mais sobre o programada de habitação federal, criado em 2009 com o objetivo de auxiliar a população na conquista da casa própria.

Criado para descomplicar a aquisição da moradia própria, o programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) só em 2018, foi responsável por 77% dos lançamentos e por 69% das vendas de imóveis residenciais no Brasil, de acordo com as informações da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).
Ou seja, desde 2009, ano de criação do programa, muitas pessoas com menor poder aquisitivo, tiveram a chance de conquistar seu imóvel próprio com mais facilidade.
Quer descobrir quais as regras para participar do Minha Casa Minha Vida? Então, siga com a gente e confira:

minha casa minha vida regra

O Programa
Basicamente, o Bolsa Família é um programa que visa descomplicar a compra da casa própria para trabalhadores com renda mensal inferior a R$7.000,00.
A iniciativa, além de apresentar taxas de juros menores, ainda oferece financiamentos simplificados, descontos e subsídios. Os valores que podem ser aplicados para a compra vão até R$300.0000 e variam de acordo com a cidade ou estado.

Participação
Qualquer trabalhador brasileiro com mais de 18 anos poderá fazer parte do programa, desde que o mesmo resida e trabalhe na cidade de compra da propriedade, não tenha nenhum tipo de restrição no CPF, não possua outro imóvel próprio (mesmo que já quitado), tenha renda comprovada na carteira de trabalho de acordo com as regras do Minha Casa Minha Vida, não tenha outro financiamento no mesmo município que deseja adquirir o imóvel, não tenha participado de nenhum outro programa governamental habitacional w faça parte de uma das faixas de renda familiar exigidas pelo programa.
Confira abaixo quais são as faixas inclusas no MCMV:

Faixa 1 – Renda familiar bruta de até R$1.800 (mensal)
Para os integrantes da faixa 1, o Governo disponibiliza subsídio de 90%. Dessa forma os 10% restantes podem ser pagos em até 12 prestações com um valor que varia de R$ 80 a R$ 270 ao mês. Ambos sem adição de juros. Contudo, o valor do imóvel deve ser inferior a R$ 96.000


Faixa 1,5: Renda familiar bruta de até R$2.600 (mensal)
Em relação aos integrantes da faixa 1,5 o Governo disponibiliza subsídio de até R$ 47.500 com 5% de juros e período de financiamento de 30 anos. Para esses casos, o subsídio é progressivo e o valor do imóvel deve ser inferior a R$144.000. Inclusive, se você mora em Curitiba é possível comprar um apartamento no Capão da Imbuia dentro desse valor.

Faixa 2: Renda familiar mensal bruta de até R$4.000
Os integrantes da faixa 2 recebem subsídio governamental máximo de R$ R$29.000, de acordo com a região do país. O valor restante poderá ser financiado dentro do prazo de 30 anos, com juros de juros de 6% a 7%. Além disso, nesses casos, o valor da propriedade não pode ultrapassar R$240.000.

Faixa 3 Renda familiar bruta de até R$7.000 (mensal)
Por fim, os integrantes da faixa 3 não recebem subsídios. Em contrapartida, contam com juros muito mais baixos que os aplicados em outros bancos. Normalmente, as taxas chegam em até 9,16%. Nesses casos, o imóvel não deve ultrapassar os R$300.000.

3. Financiamento
Sobretudo, existem duas maneiras de solicitar o financiamento pelo Minha Casa Minha Vida. A primeira é mais indicada para a população que se enquadra na Faixa 1. Dessa forma, os interessados devem entrar em contato com prefeitura da cidade, ou com uma entidade organizadora para formalizar a inscrição.
Já os integrantes dos demais grupos (Faixa 1,5, Faixa 2, Faixa 3) podem fazer a solicitação de maneira independente, através de um contrato direto com a construtora. Para isso, basta procurar a empresa responsável pelo imóvel, solicitar o cadastro e aguardar a autorização da Caixa Econômica Federal. Assim que aprovado, cabe ao trabalhador realizar a assinatura do contrato e iniciar o pagamento das parcelas.

4. Documentação
Por fim, de acordo com as Regras do Minha Casa Minha Vida, todos os documentos entregues devem ser originais. Confira qual a documentação necessária na lista a seguir:

– RG e CPF;
– Comprovante de endereço (no nome do interessado);
– Certidão (de nascimento ou casamento);
– Comprovante de renda de todos os membros que englobam a renda familiar;
– Carteira de trabalho;
-Extrato do FGTS (caso o trabalhador queira utilizar esse crédito no financiamento);
– Imposto de renda (caso seja declarante).

Importante: O programa MCMV aceita apenas imóveis novos, ou empreendimentos ainda na planta. Não são aceitos imóveis comprados ou alugados anteriormente.

Enfim, gostou de descobrir as principais regras para participar do Minha Casa Minha Vida? Se esse artigo foi útil para você, compartilhe-o em suas redes sociais. Com certeza, essas informações podem ajudar muitas pessoas que estão em busca de um imóvel próprio.

 


Espalhe pros amigos: