O programa Minha Casa Minha Vida é um programa sancionado durante o governo de Luís Inácio Lula da Silva, com a intenção de facilitar o financiamento de habitações para família de baixa renda, através de medidas urbanas e rurais que ao longo de mais de cinco anos vem mudando a situação de muitas pessoas que antes viviam com diversas dificuldades em conquistar a casa própria, que com o Minha Casa, Minha Vida conseguiram se livrar do incomodo dos aluguéis.
O programa é subdividido entre duas categoria, sendo a primeira chamada de “Programa Nacional de Habitação Urbana – PNHU” e a segunda de “Programa Nacional de Habitação Rural – PNHR”, que juntas buscam dar a sustentação para o desenvolvimento habitacional em todas as regiões do país.
A cobertura do Minha Casa, Minha vida é para famílias que ganhem até 5 mil reais por mês, sendo obviamente o apoio relativo a quantidade recebida mensalmente, pois família com renda até R$ 1.600,00 mensais tem descontos maiores devido ao seu baixo poder de investimento.

Programa Nacional de Habitação Urbana – PNHU

 

Um dos grandes problemas das cidades de pequeno, médio e grande porte sempre foi a questão de moradia, algo que em tempos antigos ficava restrito a um grupo muito menor do que nos dias atuais, pois era muito complicado de adquiria qualquer imóvel, tendo em vista a dificuldade em se fazer financiamentos bem como a fragilidade e econômico e estrutural do país, que tinha suas indústrias de infraestrutura totalmente despreparadas pela falta de incentivo, algo que também gerava uma faixa de empregos muito menor do que a atual.
Com o Minha Casa, Minha Vida, as pessoas podem financiar suas moradias através de diversas vantagens oferecidas para as faixas de renda. Este programa tem efeito positivo após diversas medidas do governo Lula, que desde 2002 vem fomentando este setor.
A vantagem não é unilateral, pois a cada 1 milhão investido, cerda de 2/3 deste valor vão retornando como forma de investimento em mão de obra, ou seja, ao mesmo tempo em que a sociedade tem possibilidades de emprego, consegue financiar sua casa própria.
Uma das grandes vantagens em cidades gigantes é a segurança, pois condomínios são erguidos apenas para o Minha Casa, Minha Vida, em que a população pode financiar seus imóveis e morar em locais de primeiro mundo, algo que também vem padronizando um alto patamar das moradias “populares” brasileiras.
Estas medidas são consideradas totalmente favoráveis para o desenvolvimento nacional, pois não acomodam e muito menos servem como soluções paliativas, tendo em vista que trata-se de um empurrão para que o povo de menor renda possa crescer e se estabelecer muito bem, possibilitando uma vida digna para todos.
Juntamente com isso, cobra-se também comprometimento do cidadão, que vai ter onde morar e deverá trabalhar para conseguir sustentar sua família e ainda sim pagar as prestações, que ficam muito leves e quase não fazem diferença no bolso deste mesmo trabalhador.

Programa Nacional de Habitação Rural – PNHR

minha casa minha vida rural


Tanto como na cidade, a necessidade de inclusão habitacional faz-se necessária no campo, onde muitas famílias ainda passam dificuldades e penam algumas vezes até como nômades no cenário rural brasileiro.
Visando solucionar este problema e ainda fomentar a produção agrícola, o governo confeccionou também regras especiais para este quesito, seguindo a lógica urbana e adaptando a mesma para o campo.
A questão do desenvolvimento é igualmente importante, pois quando é oferecida a oportunidade de fixação de uma família, ela poderá gerar assim renda para um região estável e até mesmo passar de contratada para contratante em médio a longo prazo, ou seja, este incentivo é muito válido.
Em questões de pagamentos segue a regra geral de financiamentos, algo que também é muito rígido, sendo o governo federal um grande administrador recente desta questão. Se em outrora os pagamentos eram raros e muitas vezes o Governo assim como sua população não eram ressarcidos, agora não, com a instituição de um programa consistente, a situação mudou e no campo também pode-se ter moradia própria e pode-se iniciar um processo de mudanças.

Importância do Minha Casa Minha Vida

O cenário atual que vem se fortalecendo pode ser em certos momentos ruim para os setores que vivem de rendas vindas de aluguel, entretanto esta situação vista de um meio mais amplo mostra como este desenvolvimento faz bem para o país.
Com uma economia bem estabelecida, a lógica é de que a população não viva a longo prazo pagamento aluguel ou até mesmo sem moradia, pois isto é totalmente prejudicial para a economia das família e também para o mercado de trabalho.
Viver com uma conta fixa como o aluguel é algo normal e muito aceitável, porém depois de um tempo as família ou pessoas individuais devem automaticamente adquirir uma visão empreendedora e partir para a casa própria, porém antigamente era algo que gerava uma dúvida incrível: Como conseguir financiamentos sem comprometer o futuro?
Com o surgimento do Minha Casa, Minha Vida esta situação foi muito alterada, pois este cidadão pode fazer um financiamento e pagar uma quantia igual ou até mesmo menor do que pagaria em aluguel, ou seja, o valor continua o mesmo mas o contexto passa a ser totalmente favorável para a população.
Para o mercado de trabalho isso é algo bom, primeiro pelo fato do trabalhador ter uma casa própria e ter mais estabilidade, algo que com toda a certeza vai influenciar no desempenho profissional. Outra questão muito importante, que pode até mesmo ser ressaltada no campo é a questão da migração da mão de obra, pois é muito difícil conseguir alguma moradia duradoura neste setor.
Alguns trabalhadores rurais viviam até mesmo como nômades, ganhando moradia a cada safra em determinados produtores e depois passando alguns momentos difíceis, algo que pode ser alterado com este programa, que agora possibilita o alojamento dos mesmos em locais próximos ao emprego.

Como participar do Minha Casa, Minha Vida

minha casa minha vida caixa

Para participar do Minha Casa, Minha Vida a família deverá gerar no máximo uma renda de 5 mil reais mensalmente. Tendo este dado em mão, o acompanhamento poderá ser feito por intermédio da prefeitura, que geralmente faz todo um encaminhamento e deixa as orientações adequadas para a inscrição na fila de aprovação e após nas questões finais, que geralmente giram entorno de tramites contratuais.
Outra opção muito interessante é buscar ajuda diretamente na Caixa Econômica Federal, que analisará todos os dados financeiros e sociais e deixará as orientações corretas para a participação no Minha Casa, Minha Vida. Se você já tiver conta na Caixa, tudo ficará muito mais fácil. Caso sua conta seja em outros bancos, recomenda-se uma visita a uma agência, até mesmo para o levantamento de dados.

Vantagens do Minha Casa, Minha Vida

O Minha Casa, Minha Vida apresenta algo nunca visto, pois a taxa de juros é mínima e as prestações são a longo prazo, ou seja, ficam diluídas ao longo do passar do tempo e quase não afetam ao bolso das famílias.
A aplicação funciona quase como uma substituição do aluguel médio que uma família pode pagar na cidade ou no campo, algo que possibilita esta troca que vai ajudar muito mais os trabalhadores e formar assim uma nova formação habitacional, aumentando a inclusão social e possibilitando maior estabilidade para o povo em geral.